Associados
Contactos
Estatutos
Órgãos Sociais
Livros
Revista
Crianças em Notícia
Elementos para uma teoria da notícia
Jornalismo e Actos de Democracia
Memórias Vivas
O Euro e as Identidades Políticas
Os jovens e a Internet
Televisão e as imagens da diferença
EU Kids Online
Falar Cinema
Falar Televisão
Workshops
Lançamento do livro "Écrãs em Mudança"
Memória CIMJ
Seminário Internacional 2006
Workshop de SPSS
 
 
28-01-2005

OUTRO WORKSHOP EM FEVEREIRO
Workshop de formação em
«Pesquisa de terreno: procedimentos e casos»
Dia 26 de Fevereiro de 2005
Professor António Firmino da Costa,
Departamento Sociologia e CIES - ISCTE
Sala de reuniões do piso 4
Escola Superior de Comunicação Social
Lisboa.

O número limite de vagas é de 25, pelo que se solicita aos interessados em frequentar esta acção que efectuem a sua inscrição até ao próximo dia 20, para o seguinte e-mail: mmata@mail.telepac.pt.

Como é procedimento habitual, os membros do CIMJ estão isentos do pagamento da jóia de inscrição, desde que tenham as respectivas quotas em dia. Os não
membros estão sujeitos ao pagamento de 25• de inscrição e a aceitação será feita por ordem de recepção.

O pagamento da inscrição poderá ser efectuado mediante cheque dirigido ao CIMJ, para o apartado 14253,1064-823 Lisboa, com indicação dos dados pessoais e número de contribuinte.

José Carlos Abrantes | 07:06 | link permanente

WORKSHOP EM FEVEREIRO
Workshop de formação em Endnote
Dia 11 de Fevereiro, 10h - 12h
Cristina Ponte e António Granado


O CIMJ realiza uma sessão de formação em "endnote", um software que permite armazenar e pesquisar notas e resumos de leituras. rata-se de uma formação reservada aos membros do CIMJe a quem colabora em projectos do CIMJ, e será assegurada pelos nossos colegas e membros do Centro, Cristina Ponte e António Granado.
Dia 11 de Fevereiro, sexta feira, das 10 às12,


A sala onde a sessão decorrerá está equipada com computadores, mas poderão levar os portáteis pessoais, se preferirem.
Sugere-se aos participantes que levem alguns materiais, para mostrar como se introduzem (livros, artigos, capítulos, recortes de jornais).

Solicita-se inscrição prévia, a título informativo, para o
mail:mmata@mail.telepac.pt

José Carlos Abrantes | 06:55 | link permanente

27-01-2005

Sciences Humaines
O nº 157 da revista Sciences Humaines , de Fevereiro de 2005, insere um dossier sobre os “trabalhadores do saber” (professores, investigadores, jornalistas, engenheiros...).

José Carlos Abrantes | 13:12 | link permanente

25-01-2005

UM DOCUMENTÁRIO NA TELEVISÃO
Não vi, mas tenho pena (pela descrição do ECT)”A emigração para o Brasil na primeira metade do século XX Dá vontade de pedir um visionamento à Nanouk, pois nem imagino daqui a quantos anos se poderá consultar em arquivo.

José Carlos Abrantes | 14:52 | link permanente

24-01-2005

Oficina em ENDNOTE

ENDNOTE é um dos mais populares programas informáticos de pesquisa bibliográfica. Permite organizar bases de dados bibliográficas, por temas, organizando as referências de acordo com o tipo de documento (livro de autor, livro editado, capítulo de livro, artigo científico…). As fichas de registo que se vão preenchendo contemplam uma variável para comentários, que pode ser exportada para o Word e servir de base de escrita. Permite também fazer pesquisa por palavras-chave, identificando que títulos de uma base de dados contêm essa referência. Na sua ligação via Internet, permite ainda o acesso a bibliotecas on-line, como a célebre Biblioteca do Congresso, o IST, a Web of Science, etc.

António Granado e Cristina Ponte realizam uma Oficina sobre este programa em dia, hora, e local a anunciar

José Carlos Abrantes | 20:02 | link permanente

Reflexões da música para o jornalismo
A entrevista feita por Ana Pago a João Almeida, director adjunto da Antena 2 na seccção Media do DN dá-me o ensejo para algumas observações.

1 O percurso de João Almeida, que tem o curso de uma Faculdade de Psicologia, mostra que o jornalismo é uma profissão aberta. Será mais útil ter especialistas na técnica jornalística ou especialistas de conteúdos que se tornam jornalistas (pela formação, pela prática)? Ou todas estes perfis podem existir ao lados das actuais licenciaturas em jornalismo?

2 Diz o entrevistado que o jornalismo passa ao lado do essencial. Era preciso aprofundar. Talvez seja possível afirmar o contrário e com fundamento (essencial também é divulgar a informação a grandes conjuntos de pessoas).

3 A aproximação à verdade, diz João Almeida, seria a arte que a faria. De outra maneira, julgo.

José Carlos Abrantes | 11:23 | link permanente

PROVEDOR

Mais uma crónica (sem Bloco Notas) no DN

José Carlos Abrantes | 11:06 | link permanente

21-01-2005

Notícias sobre notícias
No site da Columbia Journalism Review (tools) pode encontra três links para sites que fazem news about the news. * Romeneskos' Media News on Poynter.org, Journalism.org's Daily Briefing e I Want Media.

José Carlos Abrantes | 12:16 | link permanente

20-01-2005

TELECINCO CONDENADA
A estação de televisão espanhola Telecinco e dois dos seus colaboradores foram condenados por um tribunal a pagar uma indemnização de quinze mil euros, embora possa ainda haver recurso.

“Los jueces consideran que se ha vulnerado el derecho al honor de J. Cristo Hernández, por lo que además de la multa, obligan a los condenados a difundir la sentencia en el programa, líder de audiencia de la franja nocturna.”

No recente Colóquio do Observatório de Imprensa, Sofia Pinto Coelho, referiu algumas condenações ou multas que têm sido aplicadas a órgãos de comunicação pela Alta Autoridade ou pelos tribunais.

Nem sempre é visível o poder efectivo de algumas instâncias sobre os media. No caso acima relatado pelo El País de hoje é interessante a condenação à leitura da sentença pelo juiz, no próprio programa. Resta saber se o juiz foi sucinto ou palavroso...

José Carlos Abrantes | 12:12 | link permanente

18-01-2005

CREDIBILIDADE
The Christian Science Monitor, edição de 12 de Janeiro. Trata-se de um artigo sobre a credibilidade dos media, Media mea culpas don't defuse public discontent assunto que, lá como cá, não se pode ignorar.
“The media have historically gone through cycles when they've been extremely biased, as at the turn of the 19th century, and others where they've prided themselves on so-called objectivity, a trend that took hold midcentury. It's unclear how this current transition will transform the media in the near term, but analysts say it's critical that they find a way to regain credibility in the eyes of the public.”


Também se pode ver que os bloggers vieram “intrometer-se” na actual reflexão sobre o jornalismo.

“The increasing disillusionment with the media is also fed in part by the burgeoning of the so-called "blogosphere," the Internet-based populist forums where critics of all stripes can air their views, complaints, and biases. Indeed, it was a blog that first questioned the authenticity of the alleged National Guard documents only hours after CBS aired its faulty report on Sept. 8.
That's led some analysts to contend that this could be a watershed moment in the clash between so-called "old media" and the new.”

José Carlos Abrantes | 15:09 | link permanente

17-01-2005

PROVEDORES
Eis o texto do provedor do DN(sem o Bloco Notas).
Joaquim Furtado, do Público, terminou o seu mandato de um ano no domingo, dia 9 de Janeiro.

José Carlos Abrantes | 23:52 | link permanente

14-01-2005

Jornalismo, Ciência e Saúde
Lembro que hoje é o último dia para inscrição neste colóquio, a realizar na Universidade Fernando Pessoa, já aqui divulgados.

José Carlos Abrantes | 12:36 | link permanente

ESCS
16 anos de Escola Superior de Comunicação Social são celebrados com um debate sobre “O jornalismo e a sua relação com o poder, a ética e as fontes”. Estão anunciadas as presenças de Nicolau Santos, João Garcia, Oscar Mascarenhas e Carlos Andrade.

Na proxima terça feira, dia 18, às 10 horas, na ESCS.

José Carlos Abrantes | 12:27 | link permanente

12-01-2005

Clube dos Jornalistas
Eduardo Cintra Torres no Olho Vivo questionou na 2a feira o modo como os programas do Clube dos Jornalistas têm sido conduzidos. Porque não se pega de frente a questão do acesso aos arquivos de todas as televisões? Um programa de jornalistas para falar do jornalismo em televisão tem que ter fontes múltiplas, isso também não duvido. Mas as críticas de ECT vão mais longe....o Clube dos Jornalistas devia fazer um programa sobre as questões que ECT levanta.

José Carlos Abrantes | 12:31 | link permanente

Um livro de Provedor
A Lusa noticiou assim o lançamento do livro de Joaquim Fidalgo ocorrido, ontem, na Lusófona.

Media: "Em Nome do Leitor" reúne textos do ex-provedor do Público Joaquim Fidalgo
Lisboa, 10 Jan (Lusa) - Textos que Joaquim Fidalgo assinou enquanto provedor do diário Público surgem agora reunidos no volume "Em Nome do Leitor", que é lançado esta terça-feira na Universidade Lusófona, em Lisboa, com apresentação a cargo de Fernando Correia.

A sessão de lançamento do livro, editado pela MinervaCoimbra, incluirá um colóquio subordinado ao tema "Os provedores do leitor em auto-retrato" com organização da área de Jornalismo do Curso de Ciências da Comunicação e da Cultura da Universidade Lusófona.

Participam no colóquio Joaquim Furtado (ex-provedor do leitor do Público), Joaquim Fidalgo (professor da Universidade do Minho e provedor do Público entre 1999-2001), José Carlos Abrantes (provedor do Diário de Notícias) e Manuel Pinto (provedor do Jornal de Notícias).

O livro "Em Nome do Leitor" apresenta uma selecção de textos publicados por Joaquim Fidalgo nas páginas do jornal Público durante os dois anos - de Outubro de 1999 a Setembro de 2001 - em que foi Provedor do Leitor daquele diário.

São textos que, partindo normalmente de casos concretos apresentados por leitores, não se esgotam na sua análise pontual, servindo de pretexto para falar de assuntos globais relacionados com o trabalho jornalístico, nomeadamente no que se refere ao seu enquadramento ético e deontológico.

Os temas da obra têm como público-alvo privilegiado os profissionais da informação e os estudantes na área, mas podem interessar a qualquer leitor que acompanhe criticamente a imprensa portuguesa.

A figura do provedor do leitor surgiu para dar resposta a queixas, críticas, dúvidas e perplexidades dos leitores face aos jornais, já que cabe ao provedor - funcionando como um instrumento de auto-regulação - ouvir as suas questões e contribuir para tornar mais transparente e mais rigorosa a actividade jornalística.

Joaquim Fidalgo, nascido em 1954 e licenciado em Filologia Germânica pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, é actualmente professor de Jornalismo no Departamento de Ciências de Comunicação da Universidade do Minho.

Iniciou a sua actividade no Jornal de Notícias (1980-83), tendo transitado depois para o semanário Expresso (1983-89) e, em 1989, integrou a equipa fundadora do jornal Público, que viria a ser lançado em Março de 1990.

Em 2002 abandonou o jornalismo activo, passando a dedicar-se a tempo inteiro ao ensino na Universidade do Minho, bem como à investigação, designadamente no seio do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho.

É também membro da Associação Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM) desde o seu início e pertenceu às comissões organizadoras dos dois últimos Congressos dos Jornalistas Portugueses e é autor do livro de crónicas "A Surpresa dos Instantes" (2000).

HSF.

José Carlos Abrantes | 12:17 | link permanente

© Centro de Investigação Media e Jornalismo, 2000-2006 | última actualização: 20.04.2006